Notícias

Tricolor perde Dr. Cícero Bahia Dantas

Maior advogado da história do Bahia morre aos 80 anos. Em 40 anos de clube, Dr. Cícero venceu mais de 300 causas e nunca recebeu um centavo pelo trabalho.

08 abr 2004 | 16H20

O Bahia perdeu nesta quinta-feira um dos personagens mais importantes de seus 73 anos de vida. Dirigente, conselheiro e, acima de tudo, tricolor de coração, morreu, nesta manhã, aos 80 anos, o Dr. Cícero Bahia Dantas – o maior advogado da história do Esporte Clube Bahia.

Bacharel em direito pela Universidade Federal da Bahia UFBA, Dr. Cícero foi vice-presidente jurídico do Tricolor durante quase quatro décadas. Ocupou ainda a presidência do conselho deliberativo do clube ao longo de 10 anos – na década de 90.

Atuou também nas áreas familiar e civil, mas o grande destaque foi na justiça desportiva. Ficou conhecido como “Rei do Tapetão” por obter o veredicto favorável em mais de 300 causas – sempre em prol do clube que amava.

Tanto amor fez de Dr. Cícero um abnegado. Nos 40 anos que esteve no Bahia, sequer recebeu um centavo por seu trabalho – fez tudo por adoração ao Esquadrão de Aço.

Dr. Cícero fazia questão de apenas ajudar o Bahia. Tanto assim que, mesmo dirigente, sempre comprava os ingressos para assistir aos jogos na Fonte Nova – abrindo mão do direto gratuito de ocupar um espaço na Tribuna de Honra. Adquiria as entradas dele e de seus filhos, amigos e familiares.

Assistia e vibrava com o seu Esquadrão sempre num mesmo lugar, nas arquibancadas do Otávio Mangabeira – não perdia uma partida e gostava de estar ao lado da “massa tricolor”.

Dr. Cícero Bahia Dantas entrou no Bahia em 1962, indicado pelo jurista Orlando Gomes. Deixou o Tricolor em 2000, em virtude dos problemas de saúde. Nesse período, o Esquadrão de Aço foi 23 vezes Campeão Estadual e Campeão Brasileiro, em 1988. Dr. Cícero deixa os três filhos, a esposa, Dona Lina, e uma vida repleta de honestidade, dedicação e amor por seu Bahia e pela justiça.

O corpo de Dr. Cícero foi sepultado às 16h da tarde desta quinta-feira, no Cemitério Jardim da Saudade, em Salvador.