Notícias

Sem cobranças

No coletivo desta quarta-feira, Evaristo não exige muita aplicação tática e dá liberdade de criação aos jogadores.

31 out 2001 | 19H15

O Bahia fez o primeiro coletivo da semana, neste terça-feira, visando seu próximo adversário no Brasileirão, o Botafogo/SP, domingo, na Fonte Nova. Os titulares venceram os reservas por 2×1, com gols de Robgol e Nonato. Marcus Vinícis marcou para os suplentes.

Mas o que chamou mesmo a atenção foi o comportamento do técnico Evaristo de Macedo, durante o coletivo. O treinador se mostrou mais calmo que o habitual e parou poucas vezes o treino para chamar a atenção dos jogadores. Segundo Evaristo, isso não aconteceu por acaso.

“Foi um treino que privilegiou a parte técnica. Procurei dar aos atletas mais liberdade de criação, para eles colocarem a criatividade em prática. Não cobrei obrigações táticas”, disse Evaristo, que justificou a opção de passar um treino mais leve, um dia depois de exigir bastante taticamente dos jogadores, afim de corrigir os erros que culminaram com a derrota para o Guarani, domingo.

“Durante as partidas, os jogadores ficam muito presos, por causa de suas obrigações táticas, como a marcação, por exemplo. Por isso, às vezes, é bom deixá-los mais soltos”.

Os jogadores gostaram da “folga”. “Pra mim, esse tipo de atividade é bastante proveitoso. O jogador tem mais oportunidade de mostrar suas habilidades individualmente e se sente à vontade em campo. Mas isso não quer dizer que a gente tenha relaxado, tanto é que o coletivo foi bastante disputado e teve um placar apertado”, disse Robgol.