Notícias

Preto também é 100 no Bahia

Meia faz o centésimo jogo com a camisa tricolor neste domingo, contra o Cruzeiro/MG, no Mineirão. È o quarto que mais defendeu o clube no elenco atual.

24 jul 2003 | 17H42

Depois de Nonato ter alcançado os 100 gols como profissional do Bahia, outra marca centenária volta a ser notícia no cotidiano do clube. Desta vez é o meia Preto que completa 100 jogos com a camisa do Esquadrão de Aço, na partida deste domingo, contra o Cruzeiro, no Mineirão.

Preto estreou com a camisa 5 do Bahia, a qual usa até hoje, no dia 24 de janeiro de 2001, em jogo contra o Náutico, no estádio dos Aflitos, em Recife/PE, pelo Campeonato do Nordeste daquele ano. A partida ficou no 1 a 1. Em 99 jogos no Tricolor, Preto já conseguiu balançar as redes 25 vezes. O gol mais importante talvez tenha sido o primeiro do triunfo sobre o Sport/PE, na final do Nordestão 2001, na Fonte Nova – o tento abriu o caminho para a goleada por 3 a 1 e a conseqüente conquista da competição.

Com 99 jogos, Preto passa ser o terceiro jogador do elenco atual em participações com a camisa do Tricolor, atrás apenas de Valdomiro, Nonato e Emerson, o recordista, com 225 partidas. O atleta que mais vestiu o manto sagrado azul, vermelho e branco em todos os tempos foi o goleiro Nadinho, que jogou no clube por 10 anos, de 1958 a 1968, sendo Campeão da Iª Taça Brasil, em 1959. Considerado o maior número 1 do Esquadrão de Aço em todos os tempos, Nadinho disputou 339 partidas pelo Tricolor.

Ficha

Carlos Eduardo Casagrande
VOLANTE/ MEIA
Nasc.: 07/05/1975 Cascavel/PR
Peso: 81kg Altura: 1,74m

Quando chegou ao Bahia, no início de 2001, teve que encarar a desconfiança da torcida tricolor em virtude de seu passado no rival Vitória. Com garra, determinação, muita raça, títulos e gols, transformou a desconfiança em admiração em pouquíssimo tempo, conquistando status de ídolo junto à torcida. Seu melhor momento aconteceu em 2001, quando teve que atuar improvisado na meia, fez nove gols no Brasileiro (vice-artilheiro do time no Campeonato) e foi eleito um dos melhores jogadores da competição, recebendo a Bola de Prata da Revista Placar. No segundo semestre de 2002, defendeu o Atlético/PR. No início deste ano, voltou ao Bahia. É um jogador polêmico, de personalidade forte, excelente técnica, passe apurado, que costuma deixar os companheiros na cara do gol. Também é dono de um chute forte e certeiro, o que o credencia um dos cobradores de falta da equipe.

– Outros clubes: Vasco/RJ, Olaria/RJ, Vitória da Bahia, Vitória de Guimarães/POR e Atlético/PR.
– Principais títulos: Carioca (92, 93 e 94), Baiano (95, 96, 97 e 01), Copa do Nordeste (97, 99), Campeonato do Nordeste (01 e 02).