Notícias

Pacto pelo Bahia

Torcida promete não protestar durante o jogo contra o América/MG.

20 maio 2004 | 16H50

Proveitosa e bem sucedida na concepção de todas as partes envolvidas. Assim foi a reunião entre as principais torcidas organizadas, diretoria, comissão técnica e o presidente do Bahia, Marcelo Guimarães. O encontro aconteceu no auditório do Centro de Treinamento Osório Villas-Boas, na manhã desta quinta-feira.

Membros das maiores torcidas organizadas do Bahia, cerca de 20 pessoas, compareceram à reunião – Bamor, Povão, Fiel, Tricoloucos e JDT. Além do presidente, estiveram presentes o superintendente Miguel Kertzman, o diretor de futebol Walter Telles, o supervisor Roberto Passos, o técnico Vadão e o auxiliar Gersinho.

Os torcedores fizeram críticas e sugestões que vão ser analisadas e, na medida do possível, implementadas pelo Bahia. A diretoria solicitou uma trégua durante os 90 minutos da partida contra o América/MG, nesta sexta, na Fonte Nova. A torcida prometeu atender.

“As vaias desestabilizam o time, prejudicam o desempenho de alguns jogadores e, conseqüentemente, atrapalham o Bahia. Para sair dessa situação difícil, precisamos é de apoio. Foi isso que pedimos aos torcedores”, disse o técnico Vadão, que fez questão de salientar não ser contra os protestos.

“Acho que protestar é um direito válido contanto que as pessoas não sejam agredidas e desrespeitadas. Felizmente, os protestos tem sido ordeiros. Só gostaria que eles não acontecessem durante o jogo, porque isso não ajuda o Bahia em nada”, completou o treinador.

A conversa serviu também para aproximar diretoria e torcedores, além de acabar com certas polêmicas. “Procuramos mostrar que a fase não é tão catastrófica quanto pintam alguns. Estão supervalorizando um momento complicado, mas absolutamente reversível. Os torcedores nos entenderam. Viram que o Bahia não está destruído, tampouco arruinado. Temos uma boa estrutura física, uma divisão de base moderna e o time, de certa forma, vem evoluindo”, declarou o presidente Marcelo Guimarães.

“O que o Bahia precisa agora é da união daqueles que o amam. Só com a força de todos é que conseguiremos dar um basta definitivo nessa má fase e levar o nosso Tricolor de volta à Primeira Divisão do Futebol Nacional”, declarou o presidente.

Ficou decidido ainda que reuniões como a desta quinta vão acontecer periodicamente entre diretoria, comissão técnica e torcedores.