Notícias

Fala, Roger

Técnico avalia triunfo sobre o Fluminense

26 maio 2019 | 22H30

Após o terceiro triunfo do Bahia em três jogos na Fonte Nova pelo Brasileirão 2019, o técnico Roger Machado conversou com a imprensa na noite deste domingo (26). O treinador comentou o 3 a 2 sobre o Fluminense e analisou a performance do seu time e do adversário no duelo.

Roger começou falando da postura cautelosa do Bahia após o time estar ganhando por 3 a 1 e com um jogador a mais em campo. “Faltou a gente ter controlado um pouco melhor o jogo, principalmente depois da expulsão. Quando conseguíamos retomar a bola, não encaixávamos o contra-ataque. Mas não é fácil jogar contra a equipe do Diniz. Admiro a coragem que ele transmite aos atletas. A gente organizou a estratégia para pressionar o Fluminense desde o seu campo. Em uma das atrasadas, justamente na estratégia montada, a gente conseguiu o segundo gol. A gente tem que valorizar muito esse triunfo, de muita dedicação e empenho de todos. Agradecer ao nosso torcedor, que jogou junto com a gente, mesmo nos momentos difíceis”, disse.

Na análise tática da partida, Roger falou que mesmo com a mudança de algumas peças, repetiu a estratégia do triunfo contra o São Paulo, pela Copa do Brasil. “Foi o mesmo esquema, mas a diferença foi um jogador mais leve, por dentro do tripé, onde o Ramires se sente mais à vontade. A opção do Arthur Caíke no lugar do Elton foi que o Elton vinha de um recesso por lesão, fez três jogos intensos. Para que a gente pudesse tê-lo em melhores condições, a gente fez essa troca. O esquema foi o mesmo, as peças que foram diferentes”.

O treinador falou também sobre o cansaço dos atletas e do jogo decisivo desta quarta-feira (29), contra o São Paulo, pelas quartas de final da Copa do Brasil. “Falei para os atletas no vestiário: ‘temos que descansar e se alimentar bem’. A gente acaba abrindo mão de muitas coisas, mas são poucos jogos até a parada da Copa América. Vale o sacrifício. Descansar, corrigir o que tem de corrigir, e estar inteiro para o jogo pela Copa do Brasil”.

Por fim, perguntado se sua equipe havia evoluído ao ponto de ser considerado um ‘time pronto’, Roger foi enfático. “Treinador nunca vê a equipe pronta, até porque a gente não sabe até que ponto ela evolui. Mas o momento que nos encontramos hoje é de um futebol de bom nível. A construção da equipe é continuada, nunca acaba. Com a vitória de hoje, diante de um adversário muito forte, vejo que estamos encorpados. Os adversários sofrem para encontrar espaço dentro da nossa equipe”.