Notícias

Elivélton volta nas finais do Brasileirão

Exames no RJ detectam presença de bactéria no sangue que retarda recuperação física. Jogador entra na fase final de reabilitação.

08 set 2004 | 13H45

Darino Sena

Uma bactéria no sangue vem provocando as sucessivas lesões do lateral-esquerdo Elivélton. Essa foi a conclusão do departamento médico do Bahia após análise dos resultados dos exames a que o atleta foi submetido, há duas semanas, na clínica do Dr. Alexandre Cosenday, um dos maiores especialista do país em análise sanguínea.

Sob a coordenação de Cosenday, na clínica do médico, no Rio de Janeiro, o sangue de Elivélton foi coletado e submetido a um detalhado teste bioquímico. O resultado foi a detecção de uma infecção sub-clínica, ou seja, que não apresenta sintomas.

Tal infecção é provocada por uma bactéria e desregula o organismo. No caso de Elivélton, o maior problema diz respeito à reabilitação corporal.

O corpo do jogador perdeu velocidade de recuperação após esforços físicos. Ele se recompõe fisicamente ao fazer exercícios, por exemplo, bem depois do tempo de um atleta em condições normais. Isso torna o organismo frágil e vulnerável a lesões musculares, o que explica os sucessivos problemas na panturrilha, segundo o médico Adriano Fonseca.

O jogador contraiu a bactéria após sofrer uma infecção urinária, no último mês de junho, depois de estar clinicamente curado das primeiras lesões musculares nas panturrilhas.

Para combater a bactéria maléfica e tentar eliminá-la do organismo, Elivélton vem sendo medicado já há algum tempo com antibióticos. A partir de agora, o jogador faz também uso de um complexo vitamínico, que visa “limpar” o seu corpo de impurezas também prejudiciais à saúde, provocadas por stress físico ou mental.

Nos próximos 15 dias, Elivélton continua utilizando antibióticos. Segue ainda realizando trabalhos físicos leves, como musculação e trotes. A expectativa é que o tratamento passe a fazer efeito dentro de duas semanas, quando as atividades físicas vão ser intensificadas.

Ocorrendo tudo dentro do previsto, Elivélton volta a ter condições de jogo em 30 dias, ou seja, a tempo de defender o Tricolor na segunda fase do Brasileirão.

“O resultado dos exames vieram ratificar a previsão inicial do departamento médico do Bahia e facilitam ainda mais o nosso trabalho. Elivélton agora encontra-se em franca recuperação e ainda vai colaborar muito para o retorno do Bahia à elite do futebol nacional”, comentou, otimista, o diretor médico do Tricolor, Dr. Marcos Lopes.

O “caso Elivélton”

Elivélton não disputa uma partida oficial desde o dia 4 de maio, quando enfrentou o Marília. Saiu do jogo reclamando de dores nas panturrilhas e exames detectaram lesões em ambas.

Em junho, no período do São João, totalmente recuperado e pronto para voltar, sofreu infecção urinária e teve que passar cindo dias internado numa clínica de Salvador. Foi aí que contraiu a bactéria.

Após a infecção, sem saber da contaminação pela bactéria que causa retardo na recuperação corporal, voltou a treinar normalmente, chegou a participar de coletivos, esteve perto de voltar a atuar, mas sofreu uma nova distensão no músculo. Foi quando o DM do Tricolor desconfiou de um problema maior e solicitou os exames na clínica do Dr. Cosenday.