Comissão Comissão

Paulo Paixão

Um dos maiores nomes da preparação física do Brasil, Paulo Paixão é natural do Rio de Janeiro-RJ e tem 68 anos. Ele é formado em Educação Física pela Faculdades Integradas Castelo Branco (FICAB) e possui especialização em Futebol e em Fisiologia do Exercício, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Começou a carreira em 1992 no Fluminense. Já em 1994 integrou a comissão técnica da seleção brasileira tetracampeã mundial nos Estados Unidos.

Em 1995, em parceria com o técnico Luis Felipe Scolari, teve o primeiro contato com Roger Machado, então lateral esquerdo da equipe campeão da Taça Libertadores da América.

Na primeira passagem pelo Tricolor gaúcho ainda se sagrou campeão brasileiro, estadual e da Recopa Sul-Americana.

Antes de chegar ao Palmeiras, em 1997, Paixão teve uma experiência no Jubilo Iwata do Japão, novamente com Felipão.

No time paulista, o preparador mais uma vez levantou a taça da Libertadores, além de conquistar pela primeira vez a Copa do Brasil.

Em 1998, novamente fez parte da comissão técnica da seleção que disputou a Copa da França.

Em 2001, voltou ao Grêmio, dessa vez na comissão do jovem técnico Tite. No Tricolor gaúcho se sagrou mais vez campeão estadual e da Copa do Brasil.

O currículo vencedor fez Paixão chegar de novo na seleção brasileira, dessa vez junto com Scolari. Em 2002, como preparador principal, conquistou o pentacampeonato mundial com o Brasil.

No seguinte teve sua primeira experiência profissional no Internacional, onde foi campeão gaúcho.

Em 2004, ainda trabalhando o Colorado e sendo mais uma vez campeão gaúcho, retornou à seleção para integrar a comissão do técnico Carlos Alberto Parreira.

No mesmo ano foi campeão da Copa América, disputada no Peru e em 2005, campeão da Copa das Confederações, na Alemanha.

Em 2006, disputou sua quarta Copa do Mundo, porém o Brasil parou nas quartas de final, eliminado pela França.

Mas se o título mundial de seleções não veio, o de clubes sim. Nesse ano, Paulo Paixão conquistou a Libertadores e o Mundial de Clubes pelo Inter.

Em 2007, Paixão teve sua segunda experiência em um clube fora do país. O preparador trabalhou no CSKA Moscou, onde ficou até 2009.

Mesmo com a mudança de comando na seleção, o fisicultor continuou, dessa vez na comissão do técnico Dunga. Paixão conquistou mais dois títulos com a amarelinha: Copa América de 2007, na Venezuela, e a Copa das Confederações de 2009, na África do Sul.

Em 2010, em paralelo com a seleção, voltou a trabalhar no Grêmio e foi mais uma vez campeão gaúcho. Além disso, nesse ano, disputou sua quinta Copa do Mundo.

Fico no Grêmio até 2013, quando retornou a Inter e foi pela sétima vez campeão gaúcho.

No mesmo ano voltou à seleção com Luiz Felipe Scolari e conquistou de novo a Copa das Confederações.

Em 2014, foi o preparador físico da seleção na Copa do Mundo no Brasil.

O preparador ainda trabalhou no Coritiba, Vasco, Sport e Atlético-MG.