Notícias

E a Nação Tricolor volta a sorrir…

Bahia faz quatro no Paraná, espanta crise e decreta paz com a torcida.

31 ago 2003 | 17H57

Foto: Romildo de Jesus

Depois de três rodadas de sofrimento e, consequentemente, cara emburrada, o torcedor apaixonado pelo Bahia pôde voltar a sorrir neste domingo. Isso porque seu time de coração venceu e convenceu ao fazer 4 a 2 sobre o Paraná, na Fonte Nova. O triunfo dá tranquilidade ao time, que se distancia da zona de rebaixamento do Brasileirão. A partida marcou a estréia do técnico Lula Pereira no estádio.

O grande destaque do jogo foi a Torcida Tricolor. Ela não compareceu em grande número, é verdade – cerca de 8 mil pessoas -, afinal, o trauma ainda é grande, mas apoiou o time do começo ao fim do jogo e foi fundamental para o resultado. Os gols do triunfo do Esquadrão foram marcados por Valdomiro, Accioly, Jean Carlos e Lino.

Com sede de vitórias, o Esquadrão não deu nem tempo para o Paraná respirar. Aos 2 minutos, Possato pegou rebote de escanteio e alçou bola na área. Livre de marcação, o zagueiro e capitão Valdomiro testou, com estilo, para o fundo das redes.

O gol acabou com a desconfiança que a torcida nutria pelo time e a Nação Tricolor passou a jogar com o Bahia. A vibração das arquibancadas contagiou os jogadores. Aos 5 minutos, Jean Carlos fez jogada sensacional, passou por três e cruzou na medida Nonato, mas a zaga se antecipou e afastou.

Aos 9, Nonato é que passou por dois, invadiu a área e chutou cruzado, na saída do goleiro – a bola raspou a trave, mas saiu.

O Paraná só saiu da defesa aos 11 minutos e assustou Emerson com Maurílio, que desviou cruzamento para a área, de primeira, mas errou o alvo.

O time paranaense cresceu e começou a ameaçar. Ageu, de falta, e Cristiano, de cabeça, quase marcaram. A ascensão do visitante culminou com uma queda de rendimento do Esquadrão, que acabou sofrendo o gol, aos 31. Pierre invadiu a área pela esquerda e foi desarmado por Valdomiro, de carrinho. O árbitro enxergou falta e marcou pênalti, bem convertido por Renaldo.

Aos 33 minutos, Pierre fez outro gol para o Paraná e, aos 37, fo ia vez de Jean Carlos marcar para o Bahia – ambos os tentos foram anulados pela arbitragem, que apontou impedimento nos lances.

Aos 46, o Paraná teve a grande chance de virar o jogo, em saída errada de Emerson, que jogou nos pés de Fabinho. O jogador dominou, na entrada da área e encobriu o goleiro – a bola tocou no travessão e saiu.

No segundo tempo, o Bahia esqueceu a apatia do final da primeira etapa no vestiário e voltou com tudo. Aos 2 minutos, Lino cobrou falta e Accioly, de cabeça, recolocou o Esquadrão de Aço na frente.

Empolgado, o Tricolor fez o terceiro aos 18. Nonato roubou bola no meio e acionou Danilo na direita. O meia avançou e cruzou rasteiro na medida para Jean Carlos, o melhor jogador em campo, balançar as redes pela primeira vez com a camisa do Bahia.

Aos 27, Nicácio entrou no lugar de Jean Carlos, que saiu ovacionado de campo. O jovem atacante é quem começou a jogada que resultaria no quarto gol. Ele dominou na entrada da área, avançou, passou por dois e foi derrubado – penalidade máxima convertida por Lino.

A partir dos 30, o técnico Lula Pereira promoveu as estréia dos jovens meias Cícero e Elias, recém promovidos do júnior, na equipe principal. Além das estréias, houve tempo também para o segundo gol de honra do Paraná, marcado por Vandinho, escorou cruzamento da direita.