Notícias

Despesa Futebol Clube: o Campeão de 2006

Conheça melhor o time que mais sai ganhando quando o Bahia joga em casa. Só no último domingo, ele ficou com 55% da renda – mais de R$ 103 mil.

16 maio 2006 | 13H15

Os 23.407 ingressos vendidos (fora o vale-show) no último Bavi geraram uma receita bruta de R$ 192.422,50. Porém, amigo torcedor, acredite, menos da metade deste montante foi para o Bahia. Ao clube, coube somente a receita líquida, de R$ 87.667,05, ou seja, 45% do total arrecadado.

O vilão desta história e grande responsável pelo disparate é talvez o maior adversário da gestão equilibrada de um clube de futebol hoje, a quem chamamos de “Despesa Futebol Clube”. Um oponente cada vez mais reforçado e praticamente impossível de ser batido, que inviabiliza a administração futebolística.

Só no Bavi deste domingo, R$ 103.869,93 foram consumidos pelo Despesa F.C., ou seja, 55% da receita total da bilheteria. O time é formado por gastos com quadros móveis (R$ 15.678,58), aluguel de campo (6% da renda bruta – R$ 11.545,35), INSS (5% – R$ 9.621,12), ISS (2,5% – R$ 4.810,56), Fundo de Apoio ao Campeonato Intermunicipal – FACIN (2% – R$ 3.848, 45), Taxa da FBF (5% – R$ 9.621,12), impostos e taxas locais (2,5% – R$ 4.810,56), confecção de ingressos (R$ 20.496,00), arbitragem (R$ 2.562,00), entre outros.

Além destas, existem outras despesas que não são descontadas da bilheteria, mas com as quais o Bahia arca, como a instalação de câmeras de vídeo e o aluguel das ambulâncias que ficam no estádio para atender atletas e torcedores. No Bavi, estes gastos foram de R$ 6.900,00, o que, se fosse descontado da renda, diminuiria a cota do Tricolor para R$ 80.767,05.

Como se nota, o Despesa F.C. é uma equipe de peso, patrocinada integralmente pelo Bahia, gerando prejuízos seguidos ao clube e dificultando sobremaneira sua administração, uma vez que fica com parte considerável de uma das principais receitas do Tricolor, que é a bilheteria de seus jogos. Um time que não joga, mas já sai ganhando antes mesmo da bola rolar na Fonte Nova.