Notícias

“Competitividade”

Técnico do Bahia analisa partida contra Juazeirense

25 fev 2024 | 19H21

Após o Bahia vencer a partida contra a Juazeirense por 2 a 1, em Juazeiro, o técnico Rogério Ceni analisou a partida, em entrevista coletiva, no estádio Adauto Moraes. O treinador destacou que diante das condições do gramado, a competitividade da equipe foi o grande destaque.

“A gente jogou muito mais parecido com 2023 e 2024, com bolas longas, tentando aproveitar a segunda volta. A maneira que esse gramado, o lugar onde nós estivemos em campo, que é verde, permite, né? Então nós usamos de acordo com o que nós podíamos.Tivemos uma zaga firme em bola aérea, talvez os dois jogadores com o melhor jogo aéreo, que ajudou bastante a se defender. Não foi um jogo, não dá nem para fazer uma avaliação muito técnica do jogo, mas o que dá para avaliar é a competitividade do time”.

O treinador falou sobre a rodagem do elenco, e a minutagem dos atletas. Ele destacou que diante do calendário de jogos, é fundamental a utilização do grupo de jogadores.

E eu gosto de ganhar, quero ganhar tudo. Nós jogamos 10, ganhamos 8. O Fita tem ganho as 10 partidas que nós jogamos, não foi possível. É a única maneira de se manter vivo, em 31, 32 dias você joga 10 jogos. Então, se você tem um jogo, a cada 72 horas, a cada 76 horas, praticamente, de média, você tem um jogo.

“Se você não rodar o elenco, é impossível sobreviver ao ano no Brasil. Especialmente esse mês de março, nós não temos nenhuma folga no meio fim de semana. Ou seja, o maior problema não é que você tem que treinar, recuperar, você tem que fazer com que o cara fique focado. Cada 90 minutos, você tem que vencer cada jogo, né? É um de cada vez. Hoje nós fizemos um time baseado principalmente na minutagem, mas no que a gente achava que tinha de melhor para enfrentar essa situação do jogo”.

O Bahia volta a campo na quarta-feira (28), em Maceió, capital de Alagoas, contra o CRB, em partida válida pela quarta rodada da Copa do Nordeste.

Foto: Letícia Martins/EC Bahia