Notícias

Candinho: o comandante da virada

Treinador conquistou 67% dos pontos disputados, tirou o Bahia das últimas colocações para deixar o Tricolor a quatro pontos da zona de classificação.

19 set 2002 | 00H53

Na chegada, ele não quis o rótulo de “salvador da pátria”. Mas o que dizer de um técnico que tirou o Bahia da zona de rebaixamento para deixar o clube a quatro pontos da zona de classificação do Campeonato Brasileiro? Que levou a equipe a vencer três dos cinco jogos que disputou sob o seu comando, sendo um deles fora de casa e outro contra a aquela que é considerada a melhor equipe do país, o São Paulo?

Tudo bem Candinho, digamos que você não é o “salvador da pátria”, mas não há como negar que foi o comandante da virada do Tricolor no Brasileirão. A receita para o sucesso quem dá é o próprio treinador.

“Mexemos com a moral do grupo. Procurei fazê-los acreditar que tinham potencial para a superar as adversidades. Os jogadores deram uma resposta maravilhosa. Eles se dedicaram ao máximo, sempre se mostraram dispostos a trabalhar. O resultado, felizmente, todo mundo está vendo”, disse Candinho após o triunfo por 2 a 0 sobre o São Paulo, nesta quarta-feira, na Fonte Nova – o segundo consecutivo no Nacional.

Mas o treinador não falou apenas dos aspectos psicológicos da virada tricolor, como também dos táticos. “Aos poucos, fui conhecendo o elenco e passei a montar o time à minha maneira. Hoje, as evoluções são nítidas. Coloquei, por exemplo, o Calisto e o Geraldo para jogarem juntos ali na esquerda e criamos uma jogada forte jogada ofensiva por aquele lado, o que praticamente não existia. Além do mais, fiz algumas mudanças de posicionamento que melhoraram o rendimento da equipe”, declarou Candinho.

Com o experiente treinador no comando, o Bahia venceu três partidas, perdeu apenas uma e empatou outra, ou seja, conquistou 10 dos 15 pontos disputados, o que dá um aproveitamento de quase 67%. Candinho chegou ao clube na sexta rodada do Brasileirão, após o então técnico Bobô entregar o cargo.