Notícias

Bahia empata na estréia da Copa do Brasil

Tricolor ficou no 1 a 1 com o Atlético/PB, em Cajazeiras.

05 fev 2003 | 23H31

Um empate em 1 a 1 marcou a estréia do Bahia na Copa do Brasil 2003, na noite desta quarta-feira, em Cajazeiras, contra o Atlético/PB. O gol do Tricolor foi marcado por Nonato. O resultado força a realização de um segundo jogo, no dia 12 de março, na Fonte Nova, para decidir qual das equipes fica com uma vaga na próxima fase da competição.

Para se classificar, o Tricolor precisa de uma vitória simples ou de um empate sem gols, atuando ao lado de sua torcida. A repetição do 1 a 1 leva a decisão para os pênaltis. O Bahia volta a campo neste domingo, para encarar o clássico contra o Vitória, na Fonte Nova.

O jogo

O Bahia começou dando a impressão que ia aplicar uma goleada no Campeão Paraibano. Isso porque logo aos dois minutos o Tricolor abriu o placar com Nonato, que pegou a sobra de um cruzamento para a área e mandou a bola no ângulo. Mas ficou só na impressão.

As marcas do primeiro tempo foram a correria e as chances de gols perdidas pelas duas equipes.

O show de gols desperdiçados começou com o Atlético/PB, aos oito minutos, quando Paulinho recebeu livre na área e chutou para fora. E o time da casa não parou por aí.

Explorando os contra-ataques em alta velocidade e as falhas de posicionamento defensivo do Tricolor, o Atlético não parava de levar perigo. Aos 18 minutos, Bujica invadiu a área, passou pelos marcadores e tocou na saída de Emerson, mas errou o alvo.

Apesar da vulnerabilidade aos contra-golpes dos cajazeirenses, o Bahia tinha maior posse de bola e também criava chances de ampliar. Aos 19 minutos, Nonato tentou de cabeça, mas Bel fez boa defesa.

Sem se intimidar com o domínio e a tradição do Tricolor, o Atlético continuava buscando o empate, e perdendo gols.

Aos 28 minutos, Nildo tentou duas vezes na área, mas esbarrou na zaga. Dois minutos depois, cobrando escanteio, Giqueta acertou o travessão de Emerson e, por pouco, não fez um gol olímpico.

O Bahia respondeu à pressão do Atlético na mesma moeda, com mais pressão nos minutos finais da etapa inicial.

Aos 39 minutos, Preto cobrou escanteio na cabeça de Bebeto Campos, na pequena área, mas ele desviou para fora.

Três minutos depois, Nonato foi lançado por Preto na área, rolou para Danilo, na marca do pênalti, mas ele errou.

No último minuto, Preto cobrou escanteio e a bola sobrou para Nonato, na meia-lua. Ele chutou forte, a bola raspou a trave de Bel e saiu.

No segundo tempo, apesar do ritmo de jogo mais lento e cadenciado, o Atlético voltou disposto a balançar as redes de qualquer jeito e criou ótimas condições para isso.

Aos 12 minutos, Delani deixou Nildo livre, na cara do gol, mas ele desperdiçou. Aos 14, foi a vez de Bujica se livrar de Emerson e chutar para fora.

A grande chance dos donos da casa aconteceu aos 20 minutos. Delani invadiu a área e encheu o pé. A bola explodiu na trave e sobrou para Bujica, que se precipitou e mandou para fora.

Para conter a pressão atleticana e tentar fazer o gol que lhe daria a classificação antecipada, o técnico Candinho mudou o time, colocando Jair, Marcelo Nicácio e Cláudio nos lugares, respectivamente de Preto, Nilson e Danilo.

Mas as mudanças não conseguiram conter o ímpeto do Atlético. Aos 40 minutos, Accioly falhou ao tentar cortar lateral e a bola sobrou limpa para Bujica empatar.