Notícias

Agora é jogar (muita) bola

Jogadores reconhecem esforço da diretoria em tranqüilizar o ambiente e motivar o grupo. “Agora é com a gente”.

09 set 2005 | 18H13

Darino Sena

O que tinha que ser feito pela direção do clube foi feito. Agora, poucas horas antes do jogo decisivo deste sábado, contra o Paulista, é controlar a ansiedade e esperar o apito inicial para jogar bola, e muita!

A diretoria tricolor, capitaneada pelo presidente Petrônio Barradas e pelo diretor de futebol Antônio Garrido, fez o que estava ao seu alcance para proporcionar aos jogadores a tranquilidade e motivação necessárias.

Os salários estão atualizados até o mês de julho, faltando apenas o mês de agosto a ser pago. Situação raríssima no cenário atual do futebol brasileiro, ainda mais num time que briga para sair das últimas colocações. O Santa Cruz, líder da Série B, por exemplo, há pouco tempo correu o risco de perder o treinador por causa de atraso salarial de quase três meses.

A direção ainda oferece uma premiação de R$ 210 mil reais ao elenco e comissão técnica para o caso do Bahia escapar do rebaixamento. Além disso, na reta fina da competição, vem sendo pago bicho de R$ 1 mil reais por vitória.

Para poupar ao máximo os atletas da pressão da torcida adversária, a diretoria providenciou concentração em Campinas, que fica a 40 km de Jundiaí. Visando ainda aumentar o tempo de descanso dos atletas após a viagem, a ida para o interior paulista foi antecipada em um dia. Conforto para os jogadores é o que não falta. Garantia disso é a estada num dos melhores hotéis da região.

Em nome da segurança da delegação no estádio, o presidente da Federação Bahiana de Futebol Ednaldo Rodrigues foi convocado e, solícito e corajoso como sempre, atendeu ao chamado do Tricolor. O dirigente estará em Jundaí ainda para fiscalizar a arbitragem e já tomou todas as providências para que o Tricolor não seja prejudicado em nenhum aspecto.

Os atletas reconhecem o esforço. “Além de todo o apoio logístico, todos do clube, dos dirigentes aos funcionários, têm nos passado muita energia positiva e confiança. Essa força deles tem sido fundamental nessa árdua luta”, disse o ídolo Emerson.

“Agora cabe a nós justificar tudo o que foi feito, dentro de campo. Temos ciência que a responsabilidade é nossa e precisamos jogar muita bola para superar o Paulista e manter o Bahia na competição para o próximo ano. A parte deles foi feita. Agora é com a gente”, admitiu o zagueiro Reginaldo, outro líder do elenco.