Notícias

A sorte voltou a vestir azul, vermelho e branco

Didi recebeu presente do goleiro, fez o gol da vitória sobre a Ponte que tirou Tricolor da zona de rebaixamento. Mais de 20 mil foram à Fonte.

06 nov 2003 | 22H50

Parecia ser mais um dia daqueles. O Bahia jogava mais, pressionava a Ponte Preta, contava com o apoio de sua torcida, mas perdia muitos gols, o goleiro adversário fazia milagres e o 0 a 0 insistia em não sair do placar.

Até que, aos 25 minutos do segundo tempo, o grande destaque do jogo até então, o goleiro Lauro, errou saída de bola, acertou o companheiro e ela sobrou limpa para Didi. O atacante tricolor não perdoou. Ele dominou a gorduchinha, avançou, tocou na saída do arqueiro e fez a Nação Tricolor soltar um grito feliz de alegria e alívio na Fonte.

Foi um presente por toda garra, disposição e força dos jogadores, que, com muita raça, buscaram o triunfo mais que merecido.

O gol decretou o fim do tabu de vitórias do clube no Brasileirão, que já durava cinco rodadas. Com o resultado obtido nesta quinta-feira, o Esquadrão de Aço ganhou duas posições e saiu da zona de rebaixamento – o time agora é o 21o e deixou para trás Fortaleza e Fluminense.

Com a promoção da diretoria do Bahia, que reduziu para R$ 5,00 o preço do ingresso de arquibancada, os insistentes apelos de dirigentes, jogadores, torcedores ilustres e uma belíssima participação de toda a imprensa, a Fonte Nova recebeu nesta quarta o excelente público de 20 mil pessoas, que incentivaram o clube do começou ao fim da partida.

O Bahia volta a jogar no próximo domingo, contra o São Caetano, no interior paulista. O Tricolor vai ter o desfalque do meia Preto, que recebeu o terceiro cartão amarelo.

O jogo

O Tricolor começou o jogo perdendo duas grandes chances, dentro da área. A primeira, com Nonato e a segunda com Paulinho, em lances parecidos. Ambos chutaram em cima de Lauro.

A pressão continuou ao longo de toda a primeira etapa e o Bahia criou outras boas chances. A melhor delas, aos 43 minutos. Elias chutou forte da entrada da área, a bola desviou no meio do caminho, mas Lauro conseguiu salvar. Luiz Fernando pegou a sobra e cabeceou nas mãos do goleiro.

Enquanto o Bahia era só ofensividade, encurralando a Ponte Preta, o adversário não apresentava um bom futebol. A macaca parava na boa marcação exercida pelo time da casa, que atuava no esquema 3-5-2 armado pelo técnico Edinho Nazareth.

O segundo tempo começou do mesmo jeito – com o Bahia pressionando e perdendo gols. Aos 6, Didi invadiu a área, chutou forte e Lauro espalmou. Aos 10, o mesmo atacante cabeceou no ângulo – o goleiro voou e fez intervenção extraordinária.

A raça de Didi foi recompensada aos 25 minutos, quando Lauro saiu jogando com os pés e acertou companheiro. A bola sobrou limpa para Didi, que só teve o trabalho de tirar do goleiro e partir pra galera.

O gol abateu os visitantes e fez o Bahia crescer, empurrado pela galera. No finalzinho, o Tricolor teve chance de ampliar o placar, com o atacante Cláudio, que recebeu três ótimos passes na área, mas acabou desperdiçando as oportunidades.