Símbolos

Conheça mais detalhes do nosso distintivo, nosso hino e nossos mascotes.


ESCUDO
O distintivo tricolor foi projetado por Raimundo Magalhães. As estrelas acima do escudo, incluídas no final da década de 1980, representam os títulos brasileiros de 1959 e 1988.

MASCOTES
Conhecido como “Tricolor de Aço” ou “Esquadrão de Aço”, o Bahia tem como mascote o Super-Homem, cujo apelido é “homem de aço”. O desenho atual foi criado pelo cartunista Ziraldo, em 1979.
mascote
Em 2014, em meio a mais um período de (infelizmente ainda) luta contra o racismo, o clube lança a sua “mascota” oficial.Apelidada de Lindona da Bahêa, a mulher-maravilha, parceira do Super-Homem, ganhou vida nos traços do artista Nei Costa.

mascota

Salvador é a cidade com mais negros fora da África.

E temos orgulho disso. BBMP!

HINO

Em muitos times de futebol, o hino é uma canção produzida para traduzir em cifras a vida de um clube. No Bahia é diferente. O hino não é somente a tradução do clube, mas também a tradução da paixão de sua torcida por ele e de todo o clima que é vivido nas arquibancadas nos jogos do Tricolor. Ele extrapolou a normalidade e se transformou até mesmo em música carnavalesca, onde é possível ver inclusive torcedores de outros times se renderem à beleza e grandiosidade do hino do clube e cantarem em alto e bom som.

No ano de 1946, um grupo de torcedores, liderado por Amado Bahia Monteiro, decidiu criar uma torcida uniformizada. Para tal, queria criar também um canto para animar sua torcida. Assim, procuraram o professor e jornalista Adroaldo Ribeiro Costa que, entusiasmado, já tratou de iniciar os trabalhos no dia seguinte.

Depois de escrita, faltava a melodia. Não demorou muito e ela saiu naturalmente. Após alguns retoques, a canção havia sido concebida. Foi levada para a torcida, que adorou e levou para os jogos, porém a torcida uniformizada não durou muitos anos e o hino acabou esquecido.

Quase 10 anos depois, o então dirigente João Palma Neto buscou aumentar a força do Bahia através de uma campanha de sócios sustentada numa vasta publicidade. Como forma de apoio à campanha, ressuscitou o hino alterando apenas o terceiro verso, substituindo “Ninguém nos vence em fervor” por “Somos do povo um clamor”. O maestro Agenor Gomes fez a instrumentação, e Palma Neto organizou um coro de torcedores e conseguiu a Banda do Corpo de Bombeiros para gravar a canção.

Quando o hino foi entregue ao Bahia, Adroaldo Ribeiro transferiu todos os direitos autorais para o clube. E impôs a condição de não ser revelada a autoria da música, já que queria que fosse considerado um canto espontâneo, nascido da torcida. A diretoria aceitou a proposta e durante anos não se soube o autor da belíssima canção.

O sucesso fez Adroaldo, já descoberto, ser procurado por outros times para compor seus hinos, porém todos os pedidos foram negados pois, segundo ele, não poderia falar sobre algo que não sentia.

A LETRA

Somos a turma tricolor
Somos a voz do campeão
Somos do povo o clamor
Ninguém nos vence em vibração
Vamos avante, Esquadrão!
Vamos, serás o vencedor!
Vamos, conquista mais um tento!
Bahia! Bahia! Bahia!
Ouve essa voz que é teu alento!
Bahia! Bahia! Bahia!
Mais um! Mais um, Bahia!
Mais um, mais um título de glória!
Mais um! Mais um, Bahia!
É assim que se resume a sua história!

Galeria de Fotos